top of page

Primavera de Marta - Mensagem do dia 20.12.2021



Ajustando ao olhar as pesadas lentes da atualidade, o ser humano pode desfigurar os mais belos quadros da vida. Numa sociedade que prima pelo materialismo e pela competitividade, natural que a grande maioria se mostre armada contra os demais.


O perdão será interpretado como covardia, a simplicidade tida como desleixo, a franqueza cunhada como aspereza e a religiosidade será tachada de fanatismo. Dificilmente os não evangelizados pouparão de críticas a outra parte que procura a gentileza e a diplomacia para solução das querelas reinantes numa sociedade de intensas disputas de espaços.


O combate, outrora tecido em armas destrutivas, à semelhança do duelo, cedeu campo a lutas vigorosas por mercados consumidores, tráfico de influência e jogo de bastidores, onde a puxada de tapete tornou-se cena comum. O outro é adversário e deve ser neutralizado, preconiza a cultura do mais forte.


Marcas consolidadas e financeiramente poderosas engolem marcas nanicas, as removendo da concorrência, tanto quanto o fenômeno se dá no campo da economia e da política, e igualmente o terreno religioso e da convivência não foge ao seu contágio.


Alcançamos um estágio da civilização onde todos desejam um lugar ao sol e a competição tornou-se feroz, animalizando muitas criaturas humanas, que se deixaram levar pelo instinto belicoso na convivência com o outro. Temendo perder aquilo que julga seu, faz-se feroz e agressivo na defesa de território de influência, e isso pode se dar no quadrado da família, no ambiente de trabalho, na seara religiosa e nos relacionamentos afetivos. Sempre inquieto, receando ser apunhalado pelas costas, se arma e deixa de amar.


Adota como companhia diária a ansiedade, que o consome a olhos vistos.


As horas de vigília se estendem, intérminas, e as de sono e repouso são encurtadas, para não ser surpreendido pelos supostos adversários. Em tensão constante, perde primeiro a paz e, em seguida, a saúde.


Não vive. Vegeta.


Sob lentes escuras, enxerga sempre o lado sombrio do outro, a quem elege como constante ameaça ao seu triunfo ilusório.


Nesse panorama, que a muitos sufoca e desassossega, temos nas paisagens do mundo um quadro de inúmeros portadores de problemáticas de natureza psicossocial, reclamando um olhar atencioso das ciências da psique para auxiliar o ser que se perdeu nos dédalos das paixões e das inquietações contínuas, em permanente pesadelo pela posse do mundo, olvidando a própria harmonia.


Urgente se faz disseminar o conhecimento libertador, que vai esclarecer cada um dos vassalos da posse devoradora que não somos donos, mas simples usufrutuários das transitórias conquistas materiais. E que valores existem que precisam de nutrição para não se perderem em nossa intimidade profunda.


A paz interior que o mundo não tem para dar.


A alegria decorrente de uma existência firmada na simplicidade.


A segurança de ter amigos e não competidores.


As interações sociais e familiares, ricas de júbilo e coragem para os desafios existenciais.


O instante de silêncio, em que nos abstraímos do mundo para comungar o solo sagrado de nossas almas.


O contato com a natureza, se reabastecendo de forças para vitalização da saúde.


As leituras edificantes e iluminativas, dissipando o pessimismo e renovando as paisagens íntimas.

Jesus, em diversas circunstâncias de Seu messianato, deixava as multidões sedentas e aflitas e buscava os lugares ermos, ali comungando com Deus em soledade.


Em Deus se movia e em Deus se nutria.


Coisa alguma disputava ou fez questão de reter.


Psicoterapeuta das almas enfermas que éramos e ainda somos, prossegue convidando o ansioso inquilino do corpo para cuidar de sua autoiluminação.


Não pediu ao Pai que nos tirasse do mundo, mas que nos libertasse do mal, e esse mal não é o que o outro nos fez ou vai fazer, mas sim aquilo que estamos fazendo conosco mesmos.


Onde repousam nossos legítimos interesses: no circo das ilusões terrestres ou nas vastíssimas escolas da vida infinita?


Por que lutar com tanta volúpia por bens que ficarão no mundo, olvidando a essência que somos e negligenciando os imensos tesouros do país interior?


Quantas grades, cercas elétricas e câmeras de segurança para proteger aquilo que nunca foi e jamais será nosso, muitas vezes permitindo que o outro, tomado de malícia e agressividade, penetre livremente nossos espaços emocionais, ali pisoteando nosso jardim de afeto e sentimentos?


Temos hoje na Terra bilhões de corações machucados e traumatizados pelos relacionamentos perturbadores a que se permitiram, invigilantes e sedentos, numa sociedade carente e árida.


Quase todos desejando ser amados. E onde estão os amantes sinceros e honrados?


Mulheres tristes, à semelhança de flores despetaladas pela fúria de parceiros imaturos e inconscientes. Homens vazios, ofertando bijuterias externas, igualmente sedentos de ternura, a que muitos rotulam de sexo.


O final de ano pode ser, para muita gente, excelente ocasião de refletir e repensar o mundo interior. Colocar a casa mental em ordem mínima. Buscar refazimento das paisagens emocionais sob diária convulsão.


Em teus solilóquios, recorda D'Ele.


Te faltando chão, volve à Galiléia e escuta Ele nas praias de tua ansiedade.


Apunhalado pelo amigos ou traído pelos afetos, canaliza tua dor na direção de quem não tem mais o que perder.


Em tuas buscas sôfregas, consola alguém que já deixou de chorar por ausência de lágrimas.


Em teu vazio existencial, faz uma visita na companhia da solidariedade e da esperança em algum lar onde a covid 19 arrebatou afetos e amores.


Perceberás que teu mundo íntimo não secou nem teu coração perdeu a capacidade de amar.


Estavas apenas investindo no lugar equivocado, e Ele te conduzirá ao imenso território das dores desconhecidas, para ali seres um anjo na vida de alguém.


Marta

Juazeiro, 20.12.2021


Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page