top of page

Primavera de Marta - Mensagem do dia 09.11.2022



A dinâmica de uma sociedade raramente será compreendida por aqueles que dentro dela mourejam. Quase sempre distraídos, envoltos no manto pesado das próprias conveniências, os indivíduos não se dão conta de que desconhecidos e anônimos trabalham e suam para mantença da paz coletiva, sem que a massa lhes perceba integralmente o devotamento e a abnegação.


Logo cedo, às exigências do café da manhã, olvidam que padeiros e artesãos do trigo vararam a madrugada, garantindo alimento fresco para a comunidade modorrenta. Mercadinhos e empórios abriram suas portas antes do despertar de muitos, garantindo acesso a produtos que irão abastecer a vivenda de dispensas vazias, sem que estes se deem conta do sacrifício destes servidores da madrugada.


Ruas e logradouros públicos limpos receberam a visita antecipada de garis e funcionários da limpeza pública, permitindo o mínimo de civilidade no meio em que nos movimentamos.


Igrejas acolhem fiéis para os ofícios religiosos logo cedo, gerando em muitos corações desalentados a renovação da fé e o bom ânimo.


Veículos lotados de ansiedade transitam de um lugar para outro, carregando em suas carcaças envelhecidas sonhos e pesadelos, expectativas e frustrações. Atletas madrugadores e maratonistas circulam em parques e jardins onde mãos ignoradas podaram árvores e apararam a grama, sem que soubéssemos quem sejam eles.


E incontáveis trabalhadores se revezam diariamente, assegurando à maioria inquieta e ansiosa condições de tráfego e mobilidade no rumo das atividades pertinentes a cada um. Mas se o bem e o dever articulam tão vasta rede de serviços e operários na manutenção de atividades tão diversificadas, igualmente constatamos incontáveis pessoas que se fizeram estátuas de azedume e arrogância cada manhã, optando pela companhia da rabugice e do mau humor.


Se erguem sob o clima mental da revolta. Transitam dentro das quatro paredes do lar à maneira de césares exigentes, cobrando de pais cansados e fatigados um castelo a que não fizeram por merecer.


Saem à rua como fiscais implacáveis das vidas alheias, sem articulação mínima de uma prece de gratidão, sempre encastelados na postura da exigência descabida e da arrogância sem limites.

Se fazem temidos, raramente amados.


Onde chegam, espalham desânimo e inquietação, medo e defensiva alheia.

Uma vida harmônica e uma convivência saudável começam com princípios simples, calcados na psicologia da gratidão e no espírito de cooperação.


Um olhar de agradecimento cada manhã, ao descerrar a janela ou ao abrir a porta, nos permitirá perceber que o dia ensolarado ou a manhã cinzenta de chuva surgiu para bons e maus, justos e injustos, gregos e baianos.


A manhã será comum a todos, mas cada alma reagirá de acordo com seus valores íntimos.


A amorosidade tece uma rede de solidariedade. A agressividade atrai outros agressivos.


Um gesto de bondade desarma alguém que atravessou a noite em tormenta ignorada. Uma frase dura, petulante, arma o outro contra nós, produzindo inesperadas ocorrências.


Uma prece induz o orante ao oceano da integração no divino, enquanto que a indiferença gera miasmas que contaminam o dia, ceifando prematuramente a boa vontade e o otimismo, ingredientes imprescindíveis para um dia harmonioso.


Quem espalha claridade, alumia o caminho, dissolvendo a treva teimosa.

Quem serve, aprende como resolver qualquer ocorrência inesperada, se fazendo agente natural da misericórdia no auxílio geral.


Já se sabe o resultado de atitudes rudes, condutas avinagradas, frases ríspidas e dureza de alma.


O indivíduo trafega no mundo com dificuldade, tudo se lhe torna difícil e via de regra está sempre em desajuste psíquico, qual vaso contendo substância corrosiva.


Uma postura resiliente, uma convivência amorosa e uma aceitação das diferenças, sem julgamento e sem críticas, fazem da pessoa uma companhia desejável em qualquer ambiente.


Sua falta é sentida.

Sua presença, desejada.

Onde Jesus se propunha visitar, uma onda de ternura e um sopro curativo pareciam antecipar-Lhe a chegada.


As massas O seguiam, ávidas de socorro e ajuda para suas intermináveis necessidades.


Doentes se postavam nas portas, rogando em silêncio auxílio para suas limitações. Velhinhos cansados e frustrados O buscavam para lenir as amarguras de uma existência estéril.


Crianças O viam como um sopro de esperança, numa sociedade subjugada pelo medo e atmosfera de derrota.

Mulheres mal amadas a Ele acorriam, suplicando uma frase de alento e esperança.


Para cada um, em diferentes ocasiões, Ele tinha uma frase curta, uma parábola luminosa ou um silêncio eloquente.

Entre sofridos e desalentados, fez-se arrimo e suporte de incontáveis vidas.


É bem provável que hoje surjam em tua estrada vidas destroçadas. Mendigos da coragem. Famintos de orientação. Esfaimados de otimismo. Almas que passaram a desacreditar de tudo e de todos, até delas mesmas.


Virão a ti como mariposas, atraídas por tua débil claridade. Vararam, só Deus sabe como, a noite desértica da alma. O amanhecer de muitos ainda é continuidade da madrugada dos sentimentos. Vestem mulambos e trapos velhos.


Choram à menor lembrança do passado.

Esqueceram as orações que aprenderam na infância.


Alegam não terem mais motivos para viver.

Que tens de ti para dar?

Não, não nos referimos ao que deténs. Essas posses vem e vão.

Dar o que se tem é diferente de dar o que se detém.


Algo de ti.

Uma moeda de tua paciência.

Um naco de pão de tua atenção.

Um gesto de solidariedade, uma frase de calma no turbilhão e um acolhimento àqueles que se veem frequentemente rejeitados.


Até os animais sabem diferenciar a pessoa tóxica daquela animada de boa vontade.

Cada dia pode ser um teste em tua vida. E se te colocares na posição de servir, Jesus fará de tua passagem no mundo um vaso de essências raras, perfumando o caminho de muitos.


Tanta gente fria como um inverno ártico, abrasadora como um Atacama sem chuva, indiferente como um outono sem vida. Sê uma perene primavera, exibindo tuas flores a cada instante.


Isso te fará um bem enorme.


Marta

Salvador, 09.11.2022

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page